Dedutibilidade de despesas Legais para o Planejamento Imobiliário|

Dedutibilidade de despesas Legais para o Planejamento Imobiliário
18 de fevereiro

**ATUALIZAÇÃO: Cortes de Impostos e de postos de trabalho Act (TCJA), promulgada em 22 de dezembro de 2017, desde que, “ão obstante a subseção (a) , sem a diversos deduções devem ser autorizados para qualquer tributável ano, com início após 31 de dezembro de 2017, e antes de 1 de janeiro de 2026.”**

a secção 212 do Código das receitas internas (a seguir “Código”) prevê a possibilidade de dedução para todas as despesas ordinárias e necessárias pagas ou incorridas durante o ano fiscal:

1. para a produção ou cobrança de rendimentos;

2. para a gestão, conservação ou manutenção de bens detidos para a produção de rendimentos; ou

3. em conexão com a determinação, cobrança ou reembolso de qualquer imposto.

a secção 212 é limitada pelo piso de 2% (2%), nos termos do § 67 do Código. A secção 67 prevê que as “deduções diversas discriminadas” de um indivíduo só podem ser deduzidas na medida em que o agregado das deduções exceda dois (2%) por cento do rendimento bruto ajustado. IRC §67(a). Por causa da área de deduções discriminadas, a maioria dos clientes não vai se beneficiar de uma dedução para despesas legais incorridas no planejamento de imóveis.

o Tribunal Fiscal tem considerado numerosos casos para determinar se as taxas legais incorridas no planejamento imobiliário são dedutíveis. Um dos primeiros casos a permitir uma dedução para as taxas de planeamento imobiliário, Bagley v. Senhor Comissário, considerou que o escritório de advogados prestava serviços jurídicos dedutíveis nos termos do §212, n. o 2. O escritório de advocacia consultou os clientes no que diz respeito a investimentos fiscais favoráveis, empréstimos à corporação propriedade da família do cliente, e a revisão e criação de planos imobiliários para os membros da família.

em Merians contra Comissário, o tribunal permitiu uma dedução §212 (3) para honorários legais atribuídos à consultoria fiscal. O Tribunal de Justiça limitou-se a interpretar a sua decisão de dedução apenas para a parte dos serviços que considerava consultoria fiscal. O advogado não manteve registros de tempo ou faturamento precisos refletindo a quantidade de tempo gasto em aspectos relacionados com impostos de sua representação.O Tribunal Fiscal não autorizou deduções relativas a honorários legais pagos pelo planeamento imobiliário e orientações gerais das empresas quando o contribuinte não dispõe de qualquer prova de que as taxas se relacionam com as Categorias §212. A mera preparação de uma vontade ou confiança testamentária não será dedutível. No entanto, um argumento pode ser feito de que a criação de uma confiança de vida revogável é uma transação motivada por impostos para a gestão e conservação da propriedade. Do mesmo modo, o contribuinte poderia argumentar que as taxas foram incorridas em relação com a determinação (minimização) da futura Responsabilidade Fiscal do contribuinte. Por conseguinte, as taxas devem ser dedutíveis nos termos do §212, n. o 2, e do artigo 212.o, n. o 3.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Back to Top